PythonBrasil

terça-feira, dezembro 11, 2007

Desrespeito e pouco caso com a ciência e tecnologia.

Como minar o desenvolvimento científico e tecnológico de uma nação.

Um dia, um estudante de física, engenharia, química, ciência da computação, matemática, biologia, etc, etc, foi fazer um estágio de iniciação científica em um Instituto de Pesquisas ligado do Governo Federal. Lá, ele fez o seu mestrado e também o seu doutorado.


Por uma destas coisas que acontecem na vida, ele prestou um concurso público para o cargo de Pesquisador vinculado ao Ministério de Ciência e Tecnologia, no qual foi aprovado e para o qual foi convocado, devidamente empossado e onde, até hoje, trabalha.


Por mais inexpressiva que esta estória possa ser, ela pode ser facilmente a história de muitos Pesquisadores que, outrora "estudantes", prestaram concursos para um dos diversos Institutos de Pesquisa do MCT, como o Inmetro, a Fiocruz, o IBGE, a CNEN, etc.


Interessante, que embora sendo vinculados ao mesmo Governo Federal, exercendo a mesma função de Pesquisador, eles recebem remunerações diferentes.


Como pode um patrão contratar duas ou mais pessoas para exercerem a mesma função e pagar-lhes salários diferentes? Não pode! Quer dizer, não poderia!


Ah! Mas no Brasil, pode! E o patrão é o Governo!


Isto mesmo, um pesquisador com doutorado, ganha:

  • No Inmetro: de 4.652,55 a 10.361,88

  • Na Fiocruz: de 5.898,90 a 9.298,06

  • No IBGE: de 6.367,48 a 9.737,90


Mas, o mesmo pesquisador de um Instituto de Pesquisas ou outro órgão do Ministério de Ciência e Tecnologia ganha de 5.307,03 a 7.380,16. Uma diferença (a menor) de R$ 1917,90, que pode chegar a R$ 2.981,72 (a maior).


Que dizer de tal patrão?


Acontece que o Governo Federal criou recentemente carreiras separadas para o Inmetro, a Fiocruz e o IBGE para dar aumento diferenciado a estas carreiras, desrespeitando a isonomia salarial.


E este mesmo Governo ainda diz que tem um plano de aceleração para a Ciência e Tecnologia. Tratando seus pesquisadores deste modo?


Estas atitudes do Governo não são sem objetivo. Fazem parte de uma estratégia muito conhecida - "Dividir e conquistar".


Exatamente! O Governo dividiu as carreiras para que possa ganhar de cada uma delas individualmente.


Uma atitute covarde e mesquinha, tratando com desrespeito toda uma nação, que sabe que sem ciência e tecnologia, feitas com seriedade, respeito e trato igualitário, não se constrói um futuro sólido para o Brasil.






Postar um comentário